Como ser mais acessível e inclusivo ? Traga para fazer junto!

Nota: Esse artigo foi escrito por Allan Rodrigues (Designer, Social Media) e publicado originalmente no canal da comunidade PretUX.

Recentemente, finalizei um bootcamp (um treinamento intensivo) sobre escrita inclusiva e acessível para produtos digitais e fiquei muito surpreso em relação ao impacto que a escrita pode ter em simplificar, auxiliar e guiar processos em geral. Claro, se reunirmos pessoas aleatórias numa sala e fizermos a seguinte pergunta: “Vocês acreditam que a comunicação, quando é mais inclusiva e acessível, representa algo positivo?”. Qual a chance de alguém dizer que não? É uma possibilidade muito baixa, né?

Mas mesmo assim, seja em nossos projetos ou nas empresas, não temos adotado a comunicação inclusiva enquanto um item essencial ou, pelo menos, muito pouco. Imagine o seguinte: se um usuário ou cliente não entende o que seu produto oferece ou não consegue aproveitar os benefícios por causa de um texto mal escrito e uma comunicação pouco clara, isso custa credibilidade, dinheiro e ainda pode gerar uma imensa frustração em quem não entender, que não poderá usar sua solução para o problema dela.

ilustração minimalista representando 6 pessoas, de etnias e culturas diferentes.

Segundo dados de 2020, divulgados pela USP (Universidade de São Paulo), o Brasil tem cerca de 29% da sua população com dificuldades para ler e interpretar textos, os chamados analfabetos funcionais. Assim como o número de idosos que vem crescendo no Brasil e no mundo, com projeção de alcançar, em 2031, 43 milhões de pessoas. Com o número de pessoas com deficiência não é diferente — são uma parcela significativa quando pensamos em renda. Movimentam cerca de 27,8 bilhões de reais. Como estão sendo construídos os produtos para essas pessoas? Ou elas não fazem parte do processo criativo? Hoje, a população do Brasil passa por cerca de 200 milhões de habitantes, 29% não é um número irrelevante. Talvez a partir de uma lei seria possível diminuir este tipo de exclusão…

E ela já existe, só não é implementada

lei 13.146, de 6 de julho de 2015 prevê que “(…)É obrigatória a acessibilidade nos sítios da internet mantidos por empresas com sede ou representação comercial no país ou por órgãos de governo, para uso da pessoa com deficiência, garantindo-lhe acesso às informações disponíveis, conforme as melhores práticas e diretrizes de acessibilidade adotadas internacionalmente.”

Este texto é uma provocação para que possamos incluir e desenvolver produtos, projetos, textos e qualquer tipo de ação social com mais empatia e impacto inclusivo real. Por isso, assim como me ajudaram a tornar isso algo mais próximo da realidade dos meus projetos (e sigo aprendendo isso…), quero deixar aqui um repositório feito pela Paula Völker que pode ajudar muito.

Acesse aqui o repositório!

--

--

--

Bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do mundo.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
How Education

How Education

Bootcamps imersivos, práticos e de curta duração com facilitadores das principais startups do mundo.

More from Medium

Weeknote 18 for 31 Jan-4 Feb 2022

A multicoloured circle with a lot of big and small circles within, overlapping at various points

Why must design teams consider the growing digital divide in the UK?

Picture of a laptop open with people on a group Zoom call

PRODUCTHEAD: Content design

PRODUCTHEAD logo

How to drive collective action against Covid with visual and verbal language?